"O melhor da gastronomia embalado para viagem."

... Cozinhar é também fazer poesia. É abrir ouvidos, olhos, boca e nariz para perceber o que faz sentido entre temperos e medidas. É entrar neste estado de coisas latentes e cavar o silêncio....
Juliana Venturelli

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Santa Marta - A padroeira da cozinheiras



Imagem mais conhecida de
Santa Marta

Minha mãe é atriz e um destes dias ela enviou pelo facebook a imagem do São Genésio, padroeiro dos artistas.

São Genésio - Padroeiro dos artistas

Nesta mesma época estavamos em uma correria danada na cozinha da agroindustria para poder fazer uma entrega grande para o supermercado.
Perguntei para ela brincando quem seria o padroeiro das cozinheiras, para que pudesse fazer uma prece e pedir ajuda para terminar a empreitada. Ela pesquizou e descobriu que é uma padroeira, e, coincidentemente tem o mesmo nome que eu: Santa Marta.
A título de curiosidade fiz uma pequisa rápida na internet e obtive ótimas imagens e um pouquinho da história desta Santa.
No dia 29 de julho é o dia dela. Vou comemorar em grande estilo, fazendo muita comida....

Nesta imagem Marta está atrapalhada cozinhando para
servir Jesus. Ela precisava da ajuda de Maria que estava
contemplativa, ouvindo os ensinamentos de Jesus.

Marta, irmã de São Lazarus e Maria de Bethany,( no oeste também chamada de Margareth), perto de Jerusalém e é a padroeira da cozinheiras e donas de casa. Ela era a anfitriã e a dona da casa por ser a irmã mais velha.
A tradição diz ainda que Santa Marta é protetora das falsas preocupações e superstições.
Isto no Brasil, significaria proteção contra: mau olhado, inveja, pragas, bruxarias, descarrego e outras superstições para as quais ela oferece um escudo impenetrável.


Santa Marta fazendo comida
Marta, Maria e Lázaro eram de uma família abastada. Perderam os pais muito cedo e Marta, a mais velha, foi quem assumiu o papel de dona de casa. Ajudou Maria a crescer, mas estas duas irmãs cuidavam com muito amor o irmão mais novo, Lázaro. Simpáticos, praticavam a hospitalidade. Gostavam de receber os amigos e, por isso, a sua casa, que ficava perto de Jerusalém, facilmente se tornou um local de paragem e de descanso. Também Jesus usufruiu desta casa e do calor desta família. Também ele, quando andava pela Judeia, mas sobretudo pouco tempo antes de morrer, porque sabia que não podia ficar em Jerusalém, refugiava-se em casa destes três irmãos, amigos do Senhor.


Santa Marta aparece mais
uma vez associada à comida




Foi nobre hospedeira do Senhor e também queria que sua irmã O servisse, porque estava convencida de que não bastaria o mundo inteiro para servir hóspede tão nobre.
Depois da Ascensão do Senhor, depois da dispersão dos discípulos, ela, seu irmão Lázaro, sua irmã Maria Madalena e ainda São Maximino — que as tinha batizado e a quem foram entregues pelo Espírito Santo — além de muitos outros, foram colocados num barco pelos infiéis, sem remos, nem velas, nem lemes, nem alimentos, pois lhes roubaram tudo. Por sorte foram guiados pelo Senhor e chegaram a Marselha; depois, foram para o território de Aix e lá converteram o povo à fé.





Novo lar
Santa Marta era muito eloqüente e agradava a toda a gente. Naquele tempo, vivia nas margens do Ródano, num bosque, entre Arles e Avinhão, um dragão, metade animal, metade peixe, maior do que um boi e mais comprido que um cavalo, com dentes afiados como espadas, e protegido de ambos os lados por escamas como escudos; escondia-se no rio, matava todos os transeuntes e fazia naufragar os barcos.
Tinha ido por mar desde a Galácia da Ásia, fora gerado por Leviatã – que era uma ferocíssima serpente aquática – e por um animal chamado ónaco, oriundo da região da Galácia, que expele os seus dejetos até à distância de uma jarda como se fosse a ponta de um dardo, queimando como fogo tudo o que atingem. Marta, a pedido do povo, foi procurá-lo e encontrou-o no bosque comendo um homem; atirou água benta sobre ele e mostrou-lhe uma cruz.
Em seguida, vencido e parado como uma ovelha, Santa Marta atou-lhe o seu cinto e ali mesmo foi morto pelo povo com lanças e pedras. Os naturais dessa região chamavam Tarascurus àquele dragão; por isso em sua memória, aquele lugar ainda se chama Tarasconus (hoje Tarascon), em vez de Nerluc, que significa “lago negro”, porque os bosques eram sombrios e escuros.


Santa Marta é repreentada matando
o dragão, aqui representado pelo mau


Vida em santidade

A partir de então, com licença de seu mestre Maximino e de sua irmã, Santa Marta ficou ali, entregando-se sem desfalecer às orações e aos jejuns. Depois, tendo-se reunido nesse lugar uma multidão de religiosas e construído uma grande basílica em honra da Bem-aventura Virgem Maria, levou uma vida de austera: abstinha-se de carne, de toda a gordura, de ovos, de queijo e de vinho; só comia uma vez por dia, fazia cem genuflexões de dia e outras tantas à noite.
Uma vez, quando pregava junto de Avinhon, entre a cidade e o rio Ródano, um jovem que estava além do rio queria ouvir suas palavras, mas não tinha barco; começou a nadar, mas foi levado pela força da correnteza e logo morreu afogado. Muito a custo, encontraram o seu corpo ao segundo dia e colocaram-no aos pés de Santa Marta para que o ressuscitasse. Ela se prostrou ao chão de braços abertos em cruz e orou assim:
- Senhor Jesus Cristo, que outrora ressuscitou o meu querido irmão, olha, ó meu hóspede caríssimo, para a fé dos circunstantes e ressuscita este rapaz.
Pegou-lhe na mão e ele imediatamente ressuscitou, recebendo o santo batismo.
Santo Eusébio conta no livro quinto da História Eclesiástica, que uma mulher que sofria de um fluxo de sangue, depois de sarada, foi para o seu jardim e fez uma estátua parecida com Nosso Senhor Jesus Cristo, com a túnica e a fimbria como tinha visto, reverenciando-a com muita freqüência. Mas cresceram as ervas, até então destituídas de qualquer virtude, e ficaram com tal poder que, daí em diante, curaram muitos enfermos.
Santo Ambrósio diz que essa mulher fora precisamente Santa Marta. Da mesma forma São Jerônimo refere, como conta na História Tripartida, que Juliano, o Apóstata, tirou a estátua feita por ela para lá colocar a sua, que logo foi destruída por um raio.

Principais fontes:

http://retalhosdavidadeumpadre.blogspot.com/2009/07/santa-marta.html

O segredo dos alquimistas



A professora e culinarista Angela Morata tem o dom de misturar as especiarias mais sofisticadas no preparo de cardápios inéditos.
Além de aulas particulares e cursos, a professora também faz festas temáticas (indiana, árabe, brasileira, brunch e etc.). A sua festa sobre encomenda e com muito estilo...
Para os residentes do Rio de Janeiro, curiosos em aprender um pouco mais de gastronomia ou em desfrutar deliciosos pratos e petiscos, a dica é Angela Morata...

domingo, 10 de julho de 2011

Mistura fina vai a Agroind 2011- Feira da agricultura familiar de Lajeado - RS

Página inicial


Feira reforça propósito de valorizar cadeia da agricultura familiar






Entre os dias 13 a 17 de julho de 2011, na cidade de Lajeado, RS, será realizado a Feira Nacional de Máquinas, Equipamentos, Produtos e Serviços para a Agroindústria Familiar - AGROIND FAMILIAR 2011.
A Agroind é uma iniciativa pioneira no país que integra toda a cadeia da agroindústria familiar - prestadores de serviços, produtores de máquinas e equipamentos, pequenas agroindústrias e consumidores ávidos por produtos da agroindústria. A 1ª edição, em abril de 2008, foi um grande sucesso. Espera-se repeti-lo agora.

A organização é da Associação Comercial e Industrial de Lajeado - ACIL , Câmara da Indústria, Comércio e Serviços do Vale do Taquari - CIC-VT , Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul - Famurs e Prefeitura Municipal de Lajeado. E tem apoios da Associação dos Municípios do Vale do Taquari - Amvat, Associação dos Secretários Municipais da Agricultura do Vale do Taquari - Asamvat, Emater/RS, Sebrae/RS, Senar/RS, Fetag/RS, Fetraf/Sul, MPA/RS, Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA - e da Secretaria Estadual da Agricultura Pecuária, Pesca e Agronegócio - SEAPPA.



COMERCIALIZAÇÃO POTENCIAL
A Agroind combina linhas de crédito acessíveis - especialmente constituídas pelos agentes financeiros presentes -, fornecedores de produtos e serviços e agroindústrias familiares, para que descubram oportunidades e realizem negócios. Espera-se a participação de mais de 260 agroindústria familiares do Rio Grande do Sul e dos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais, que deverão expor e vender seus produtos diretamente ao consumidor, além de comitivas de compradores organizadas pelo Sebrae/RS.
PREVISÃO DE PÚBLICO
Mais de 50 mil pessoas devem passar pela feira, incluindo o público formado por dezenas de caravanas de pequenos produtores rurais, agroindústrias familiares e técnicos ligados ao setor. Grupos articulados pela Famurs, Sindicatos de Trabalhadores Rurais, Emater e Organização das Cooperativas do RS - Ocergs. Além disso, o Vale do Taquari tem 320 mil habitantes e Lajeado é próxima do Vale do Rio Pardo, Região Metropolitana e Serra - regiões com aeroportos em Porto Alegre e Caxias do Sul.
NOVO MARCO LEGAL PARA A AGROINDÚSTRIA FAMILIAR
O evento, que conta com os apoios dos ministérios do Desenvolvimento Agrário - MDA - e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA -, possibilitará o detalhamento, a capacitação e o estímulo necessário para a implantação do Suasa, que permitirá produção de qualidade, comercialização ampla e dentro da legislação para milhares de agroindústrias.
Uma mostra do que reserva a segunda edição da Agroind Familiar foi conhecida nesta quinta-feira à noite (02.06). O lançamento da 2ª Agroind Familiar - Feira Nacional de Máquinas, Equipamentos, Produtos e Serviços reuniu expositores, prefeitos, lideranças e imprensa no Parque Histórico de Lajeado. No salão de baile do início da colonização - Salão Troller - o público fez um resgate do passado, apreciou produtos do campo e da agroindústria familiar que decoraram o ambiente, e ainda saboreou o coquetel a caráter, com leite, linguiça e outras tantas opções do tipo. Para o presidente da comissão organizadora, Oreno Ardêmio Heineck, esta feira é uma referência para o desenvolvimento econômico e social da agricultura familiar. "Precisamos oferecer instrumentos para que a juventude permaneça no meio rural produzindo alimentos. O desafio é fazer com que agricultura familiar seja viávelofereça uma vida digna e por que não com o conforto que as pessoas têm na cidade. Só assim essas pessoas terão condições e motivação para continuar", declarou Heineck. Para ele, a feira cumpre esse papel ao oportunizar uma vitrine para as agroindústrias familiares, oferecer informações técnicas e capacitação para os produtores rurais, além de desenvolver os setores do seu entorno, através da exposição de fornecedores de máquinas e equipamentos.

Café colonial é novidade na feira

     
Além de conferir o potencial das agroindústrias familiares, os visitantes da 2ª Agroind Familiar - Feira Nacional de Máquinas, Equipamentos, Produtos e Serviços para a Agroindústria Familiar vão ter a oportunidade de saborear um café colonial com produtos das propriedades rurais.
A novidade desta edição vai ao encontro do tema da feira, "O melhor do Brasil está na mesa", e vai destacar o que é produzido pelas agroindústrias familiares de todo o País. O café colonial estará localizado no Pavilhão 4 do Parque do Imigrante e vai funcionar no dia 13 à noite e durante os demais dias da feira das 10h30min às 22h. Sob o comando de Sandra Buffet, serão servidos cucas, bolos, linguiça, morcilhas, tortas, queijos, sobremesas, frios, pães, entre outras delícias. O valor será de R$ 20,00.
A 2ª Agroind Familiar começa na próxima semana, no dia 13, e segue até o dia 17 de julho no Parque do Imigrante, em Lajeado. Tem confirmada a presença de 194 agroindústrias familiares, oriundas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Exposição de empresas fornecedoras de máquinas, bens e serviços, além de eventos técnicos também serão destaques da feira.
O evento é uma organização da Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil). Tem na promoção a Câmara da Indústria, Comércio e Serviços do Vale do Taquari (CIC-VT), Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul.
http://www.agroindfamiliar.com.br/